segunda-feira, 23 de março de 2009

Devaneios aleatórios

Entre as dúvidas e as certezas: o cigarro após o almoço.

Os sonhos não existem desde que o relógio sutilmente ordenou que o dia começasse.
A vida tem suas curvas, seus segredos, suas cores.

O amigo da fila se transforma em pensamento quando não está presente.
Existem pessoas que são apenas necessárias por algumas horas, são mais eficazes como rastros de lembranças.

A escada define o caminho.
Seus músculos e suas pretensões dizem se é possível e necessário.

Cenas jamais se repetem.
Uma gota de água que cai do teto com infiltração pode mudar uma vida.
Uma cena se transforma por menos.

Os homens sujos procuram com olhares o que lhes é imposto.
A necessidade tem suas exceções.
Regras já nascem quebradas.

O cigarro após o almoço acaba.

7 Opiniões:

Luciano Freitas disse...

sutís verdades em sutís versos!

Conto atômico & cômico disse...

fumando um crivo e viajando depois do almoço
cara isso é genial
HAHAHAH

Vinícius de R. Rodovalho disse...

Aleatórios, mas não tão distantes.

Pensando nas dúvidas e certezas, Lucas, exceto pela parte do cigarro, poderia falar de mim. De mim agora, aliás. Cheio de certezas. E de dúvidas, claro.

Pensando nos sonhos, podia falar de mim ontem. Sonhava bem, até. Sonho, ainda. Mas não como naqueles tempos áureos...

E pensando nas cenas, únicas como você contou, eu poderia falar do eterno fluxo, de Heráclito.

Mas acho que é bem mais prático resumir tudo.

Assim:

Quanto às escadas, às curvas, às cores, às exceções, às regras e às necessidades, hão de vir. Em seu devido tempo, se farão notar, cumprir, sentir. E então deveremos escolher entre o adiante e a indiferença. Entre o almoço e o cigarro.

Vinícius de R. Rodovalho disse...

Entre o caminho e a própria escolha, aliás.

Tainá Caro disse...

Isto que você disse das pessoas descartáveis (chamarei assim)... É um ótimo quebra-galho! Só devemos ter cuidado para não nos acostumarmos a tantas gambiarras...

Lu Paes disse...

Oi, Lucas!
Desculpe-me pela demora!
Ando ocupada com provas, cursos, e até na direção de uma simulação da Aliança das Nações Unidas!

Bom, sua loucura, como a minha e a do protagonista do livro do Augusto Cury, é bem visível. È impossível escrever tão bem e não ser louco! heheheh
Amei seu texto.

Eu admiro sua simplicidade sutil para escrever. Você passa uma mensagem profunda sem que o leitor note que refletiu mil coisas, pois estava apenas aproveitando a deliciosa leitura. Aí o texto acaba e o leitor reflete, chega às conclusões e tem certeza: esse escritor é um louco! Como pode?´Ele está certo.

Por favor, não pare nunca de escrever. Eu, simples assim, me viciei em seus textos.

Beijos da Lu Paes!

Pedro Antônio disse...

Oi, Lucas!

Muito bom o texto! "A escada define o caminho". Então... Para o alto e avanteee!

Valeu pelas palavras no comentário do post.

Abração!

Te espero lá na Torre.

Pedro Antônio - A TORRE MÁGICA - www.atorremagica.blogspot.com