terça-feira, 14 de abril de 2009

Conto dos pobres gatos mortos

Não fosse a última cruel evidência, os assassinatos do bairro não seriam descobertos. Tudo começou quando o pobre Romeu apareceu moribundo no portão de dona Zuleica. Romeu era um gato sério, desses que não se dão aos infortúnios acometidos pelos outros felinos do bairro. Nunca ouvi o pobre gato se quer miar em meu telhado. O coitado, aparentemente envenenado, foi o primeiro de uma sucessão de crimes cruéis. Sem explicação, o defunto foi posto em um saco plástico e levado pela coleta pública de lixo.

Em uma segunda-feira chuvosa o segundo a perder a vida foi Reginaldo. Era um gato esperto, filho de legítimos siameses. Nunca dera trabalho a sua jovem dona. Foi aos prantos que Ritinha recolheu, em um misto de nojo e tristeza, seu amado Reginaldo. O gato teve o funeral que mereceu. Lápide e velas enfeitaram o jardim de Ritinha até o tempo tornar-lhes lixo.

O medo e a insegurança eram perceptíveis no olhar de todos os gatos que passavam por mim. Sentia dó ao me imaginar em suas peles peludas. Senti tanto que me pus a buscar informações relevantes sobre as mortes inexplicáveis do bairro. Mortes sucessivas ocorreram sem adicionar nada interessante à minha investigação, apenas que gatos morrem fácil demais.

De minha janela da sala de estar posso ver o quintal de seu Roberval. Senhor honesto e bastante querido nas redondezas, como aqueles que distribuem pirulitos e deseja "bom dia" a deus e ao mundo. Enfim, em minha observação matinal regada a café amargo, deparei-me com uma cena um tanto esquisita. Pude ver o bom velho nas pontas de seus carcomidos pés colocar uma pequena vasilha preta em cima do muro que protege sua casa dos desprazeres da rua.

Tenho a árdua tarefa de levar seu Roberval de carro toda quinta-feira à farmácia da cidade. Tendo em vista os melhores preços para seus remédios vitais e a pouca mobilidade de seus ossos, levo-o até lá por puro filantropismo. Em nossa última ida ao centro pedi a ele que me deixasse analisar suas orquídeas. Puro bom humor, deixou-me sem retrucar. Quando voltamos, estacionei em seu portão e adentramos em sua casa. Com seu lento caminhar e a necessidade de guardar os remédios comprados andou em direção a porta da casa e me deixou esperando-o voltar para dissertar sobre suas orquídeas. O tempo foi mais que necessário para eu descobrir que no seu vasilhame em cima do muro tinha muito mais que comida de gato. "Seu Roberval é um assassino!" - Pensei com cólera, porém antes de desmascarar o inescrupuloso Roberval, escutei sua explicação sobre as orquídeas e tomamos um delicioso chá com biscoitos juntos.

16 Opiniões:

Tainá disse...

Haha
Gostei!

Só não gostei do que tá escrito ali no twitter! Quer dizer, se você estiver se referindo à greve dos funcionários da supervia, e não ao caos que é o transporte ferroviário. É isto que é o transporte público, um caos, e a greve é justamente por melhores condições. Ou seja, isto que "tá acontecendo" é pelo nosso próprio bem.

Beijo!

Anônimo disse...

E ADOREI a foto do flickr.

Lucas Moratelli disse...

"Vergonhoso o que está acontecendo nos trens do Rio"

Foi exibida hoje constantemente nos telejornais a imagem de empregados da SuperVia chicoteando passageiros que não conseguiam lugar no Trem ou que tentavam sair do mesmo. Tudo pra conseguir uma "ordem" que até agora não foi explicada.
Pessoas foram levadas ao hospital inconscientes e outras foram feridas.
Apóio a busca por condições melhores, principalmente em uma empresa tão desleixada com o público que atende. Mas as atitudes tomadas pra controlar o momento foram vergonhosas!

Explicado?

Lu Paes disse...

OI, Lucas! (de novo, pois já passei pelo 'Discorro')
Amei o texto!
Você deixa sua marca em todos os textos que escreve. É difícil explicar, eu só posso dizer que se algum dia me derem um texto seu, sem o nome do autor, eu perguntaria na hora; 'Foi o Lucas MOratelli quem escreveu ou é só impressão minha?'
Perfeito, como sempre.

Ah, obrigada pela compreensão com minhas 'férias'. Estou realmente feliz em voltar!

Beijos da Lu Paes!

Pedro Antônio disse...

Muito bacana a história! Ela quase que tem sete vidas! Ahahahahá!

Abração.

Pedro Antônio

Luciano Freitas disse...

uau! adorei esse (também)! rs

a capa, o tema, a forma como escreve é justo a forma que mais me atrai!

essa dos gatos...

Livia Queiroz disse...

hahahah
Muito bom cara!

Pow esse seu Roberval hein??

Cara por incrível que pareça rolou umas dessas aqui na rua...

Morreram uns 4 gatos, só que quem matou foi o Renato-cachaceiro kkkkkk
CoincidÊncias nos R's??
Destino talvez
kkkkkk


Adorei adorei mesmo!


Bjaum e obrigada pelo comentário.
No fds postarei a segunda parte do Post...

luciana disse...

eu sei o que você pensa.
que vai publiar um livro de contos logo logo não é?
mas não posso deixar de lhe contar que detesto gatos.
enfim,excelente!
e sim é extremamente vergonhosa a questão dos trens...fiquei chocada!
mas ainda irei no rio este ano!
acho muy lindo...ele sempre será lindo,continurá lindo :D
beijos!

Rafael Estefanutti disse...

Poh cara, q bacana essa histórias dos gatos ai heim...Q tiozinho rancorozo esse hehehe...

Gostei mto parabens pelos posts...

E também qro lhe agradecer com a dica das reticencias, foi de grande valor para eu escrever um pouco melhor, obrigado mesmo!!!!

Abração, se puder mandar mais algumas dicas nos meus próximos posts, ficaria mto feliz!!!

Gnd abraço!!!

Livia Queiroz disse...

Oieeeeeeeeee...
passei para avisar que a segunda parte do conto já tá no meu blog!!!

bjo

http://www.queiroz19.blogspot.com/

Pedro Antônio disse...

Pois é, Lucas!

Um dia, quem sabe, poderemos comemorar a vitória do conhecimento e da cultura.

Obrigado pela gentileza da visita!

Um abração.

Pedro Antônio

Ademerson Novais disse...

Lendo este texto fui transportado para alguns anos atras..quando fiz uma historia bem parecida com a sua na escola..com unica diferença..não tinha um Roberval no final..mais a cada linha ia me lembrando da historia que tinha escrito e com o qual tirei a nota maxima....muito bom os textos que aqui vc escreve...adorei e li o quanto pude....

Ademerson Novais de Andrade
Espero que um dia visite meu blog...

CooKie disse...

seliinho pra vc!
^^

Raissa disse...

"Seu Roberval é um assassino!"

Conheci muitos "Robervais",e chorei muito a perda de gatos que não eram meus.

muito bom.(:

Ize disse...

Eu não gosto muito de gatos. eles só são fofos em fotografias, mas eles são muito do mal. Gatos são diabolicos plaspsalpsasa [brincando - mas não gosto muito deles mesmo], porém eu numca mataria uma gato... eu acho. Bem, se ele se revoltasse contra mim eu poderia tentar O.o Não, definitivamente, eu não faria isso!

Siim, Eu NUN-CA lembro a última coisa que eu penso antes de dormir
também. Acho que isso não vem a ser um problema... Não um problema sério. =S
=*

Yuri Alves disse...

Excelente texto, seja por sua estruturação, assim como pelo conteúdo.

Achei interessante o fato de ir em busca da verdade por tráz dos fatos. Me lembrou Sherlock holmes(de Conan Doyle).

espero estar sempre acompanhando suas postagens.Um abraço.

^^