sábado, 27 de março de 2010

Dona Rosa

Foi em um movimento quase teatral que aumentou a distorção dos passos por ver de longe o ônibus laranja com letreiro eletrônico, que desejava boa tarde e não esperava a resposta. O motorista, por problemas técnicos ou sadismo, parou longe, há uns cinquenta passos da pobre velha. Ela em pura cólera praguejou o motorista em cada um dos passos que deu até a chegar à porta do ônibus. Subiu as escadas balançando o cabelo meio rosa meio vermelho que aparentava uma tentativa falha de ruivo e jogou o dinheiro na mão do trocador. Antes de qualquer resposta, reação ou pensamento a velha de cabelo manchado e sacolas pesadas lançou-se contra a catraca e falou alto que não queria troco. Eu calado participei do momento trágico-cômico quando Dona Rosa se sentou ao meu lado e por toda a viagem me instigou a concordar que os motoristas dos ônibus laranjas não prestam.

4 Opiniões:

Luciano Freitas disse...

hehehe esses "adendos" que você vai colocando na historinha são muito bacanas!

"...que denunciavam uma visita recente a um supermercado..."

"...o cabelo meio rosa meio vermelho que aparentava uma tentativa falha de ruivo..."

muito bom!

Paulo Braccini disse...

e os motoristas dos ônibus amarelos? ou dos azuis? e ainda os dos verdes?

acho que o problema está é no ser motorista de ônibus ... fico impressionado ...

bjux

;-)

Pedro Antônio disse...

Grande Lucas!

Adorei! KKKKKKKKKKKK!

Alguns motoristas definitivamente não prestam, principalmente quando arrancam com pessoas indefesas nas portas ou quando param bruscamente. (rsrs) Mas outros...

Tom de humor impagável! Demais!

Abração.

Pedro Antônio

Sylvia Araujo disse...

hahahahahaha coitada da Dona Rosa.

Adorei a maneira como descreveu a cena. Eu vi Dona Rosa perfeita na minha frente. rs

Beijomeupravocê