quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Amor e Adeus

Eu nunca te disse adeus
Jamais pretendi, contudo, amar-te para sempre
O amanhã me confunde
Assim como o passado me desfaz

Vejo-te torto dormindo o cansaço
Tua respiração vira ritmo
Balanço bobo na tua música
Faço letra, canto sempre, fico roco

A despedida entorpece, machuca
Não te quero ver pela última vez
Fiquemos assim para sempre
Eu, ao teu lado a velar
Você num eterno doce sono


9 Opiniões:

Paulo R. F. Braccini disse...

magnífico Moratelli ... a perfeição insensata de uma vida a dois ... "A despedida entorpece, machuca
Não te quero ver pela última vez
Fiquemos assim para sempre
Eu, ao teu lado a velar
Você num eterno doce sono" ...
ah! se fosse possível ...

bjux

;-)

Diversidade.com disse...

"Menino do rio..."

Tua poesia me encanta...
A cada vez que passo por aqui.



Beijo

Diversidade.com disse...

"Menino do rio..."

Tua poesia me encanta...
A cada vez que passo por aqui.



Beijo

HSLO disse...

Primeira vez que passo por aqui e gostei muito. Super interessante seus textos.

Parabéns pelo blog.

Voltarei aqui outras vezes.


abraços


Hugo

LUH 3417 disse...

Gostei do seu comentário.


(Eu te ligo)

Pensamento aqui é Documento disse...

E dispensar explicações, é preciso às vezes apenas sentir. O presente é o melhor presente e o futuro longe demais.

Gostei demais do texto, mais demasiadamente do desenho.

Beijos

Bruna Roberta Braz disse...

já estive em situaçao praticamente igual descrita no seu post gostei do seu canto estou o seguindo ok? para acompanha-lo

Bismarck Bório disse...

Triste, pouco esperançoso e real!

Tudo que faz deste uma bons versos a se ler! xD

Espero que esteja bem Lucas. Abraços

Bismarck Bório disse...
Este comentário foi removido pelo autor.