segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Verde, alta e insegura;

Era uma palmeira como todas as outras, disto ele tinha plena certeza. Verde, alta, insegura. E por mais absurdo que parecesse aos outros, a ele tinha enorme significado. Via nela seu poder, sua grandiosidade e sua força. Olhava-a com a admiração digna de servos a reis, apenas a amava. É certo que estava confuso diante da certeza que lhe era sempre clara. Sabia que não seria fácil desvendar os mistérios de sua alma, afinal nem acreditava ou desacreditava ter uma.

Desprendeu-se de suas opiniões densas e sempre cativantes e se pôs a olhar a palmeira. Sentiu ao ver o vento cheiroso de fim de outono balançar sua palmeira cólera mortal. Quem quer que fosse indigno de mexer com sua árvore merecia a morte, porém o vento o fez. E a entortou como a uma fina vareta suspensa no ar. Seus olhos puros encheram-se de lágrimas. Talvez fosse a dor de perder, pensou ele a lembrar de seus velhos e perdidos amores. Não era. Apenas sabia que sua frágil e delicada palmeira lá ficará quando seus ossos forem pó e sua obra eterna como seus sonhos.

Por Lucas Moratelli


(Dedicado a um cara aí.)

7 Opiniões:

Eduardo Meireles disse...

legal...
legal...
bacana...

Jéssica disse...

Gostei!
tem um trecho do livro "o amor que acende a lua" do Rubem Alves, que fala algo bem verdadeiro sobre arvores, e eu adoro.

é mais ou menos assim :

"Olhe essas velhas árvores.Quanto mais velhas,mais amigas...
- dizia Bilac.
Isso,isso mesmo.As árvores são amigas.Estão sempre fielmente no mesmo lugar,à espera.E se não comparecermos,elas continuarão lá,do mesmo jeito.E sem nada a dizer.E jamais se vingam.É só olharmos para elas com a cabeça vazia de pensamentos para sermos possuídos por uma imensa tranqüilidade."

ecantador, não?
;)

http://tudoalheio.blogspot.com/

Jéssica disse...

correção: encantador*

Cássia Barbosa disse...

Suave e lindo!
Adorei...

Passa no meu depois.
Abraços...

Cássia Barbosa disse...

Muito obrigada pela visita...
Que bom que gostou da história... Sim, tem continuação. |Estou apenas no segundo capítulo... Passe lá pra ler tudo.
Ah, eu só consigo escrever em primeira pessoa. Já tentei não ser narrador-personagem, mas não deu mt certo. Não conseguia narrar sem estar vivendo aquilo.
Mais uam vez obrigada pela visita...

Danilo Cruz disse...

Bem interessante, eu não conseguiria falar tão bem sobre uma simples palmeira xD

Tainá-O-Rama disse...

O título me atraiu!

Mas define quem? Não é a palmeira!

Besos :)